orkutização

Vira e mexe escuto ou leio essa expressão na internet.

Toda vez que algo na rede se populariza eu ouço o verbo “orkutizar”. Semana passada quando foi lançada a versão do aplicativo Instagram para Android e já no dia seguinte um recorde de dowloads, eram mais 1 milhão de usuários novos. Logo surgiram piadinhas na rede de mau gosto. Era a famosa expressão “orkutizar” mas agora se referindo ao Instagram. Tinha uma galera zuando o pessoal de Android dizendo que agora iríamos ver fotos bizarras, bobeiras e fotos de chocar qualquer ser humano por tanta feiura. A maioria só surfou a onda de alguns bonitões que se acham os “donos da rede”. Muita gente fala só por falar mesmo, por pura falta de personalidade. A internet é o real retrato do ditado “Maria vai com as outras”. O pior disso tudo eu acho que é o preconceito. As pessoas ainda olham a internet como um mundo a parte e eu fico PUTO de raiva com isso. Me dá raiva!  Em um mundo tão digital e integrado, tem nego que olha a internet com olho torto. Não é possível, mas tem e tem muito.

As pessoas precisam entender que a internet é a reflexo da sociedade e ela apenas potencializa o que todos nós já somos. Se a pessoa for brega, na internet ela tende a ser mais pouco. Se a pessoa é legal e big brother, na internet ela vai ser aquela que vai ter milhares de amigos, popular, gente boa, que ajuda todo mundo, compartilha e por aí vai. Se a pessoa for psicopata, aí já era, ela vai ser ainda mais. Então, a internet faz o efeito “Sonrisal”, apenas potencializa o que todos nós somos fora de uma janela de MSN, Facebook ou páginas obscuras ou cleans que a internet nos oferece.

Aliás, a palavra “orkutizar” é tão 2006. E o pior é que muita gente boa fala isso, gente que não é leiga quanto à internet, marketing digital e redes sociais. Vamos rever esse conceito meu povo? Hoje em dia somos profissionais de comunicação de massa. Foi se o tempo que a internet era comunicação dirigida, mídia de apoio ou algo parecido.

Logo, o verbo orkutizar é um preconceito sem tamanhos. A internet está apenas se popularizando, ou seja, chegando a ser uma mídia de massa. Eu acho ótimo. Todos realmente precisam ter acesso a esse mundo maravilhoso. O que estas pessoas farão na rede? Isso já é problema de cada um e da própria sociedade. O reflexo do que vemos na rede simplesmente é o espelho da sociedade. Se algo precisa mudar, o buraco é mais embaixo e não é problema da internet. Isto eu defendo. O Orkut foi a primeira rede social que o Brasil provou de verdade e tem sim o seu lado positivo. Se o povo se utiliza pessimamente da ferramenta, o problema é o povo e não a ferramenta.

Da próxima vez, ao tentar criticar a popularização da internet, me ajuda e não use o verbo “orkutizar”. Ah! Esqueci que muita gente acha que internet é a último pequi do Goiás. Não meu caros, tem Tim Infinity com internet de R$0,25 por dia, e que muita gente acessa via minimodem no seu computador. Seja bem-vindo ao mundo da inclusão digital. Faz bem, muito bem!

Onde o conhecimento chega a sociedade nunca mais é a mesma.

Encerro meu texto com uma linda frase que ouvi na última quinta-feira. “A alma que se eleva, eleva o mundo”. (Elisabeth Leseur)

O acesso a informação, a novos meios só enriquece o processo de evolução do ser humano. Menos preconceito e mais compreensão com as atitudes alheias. Criticar por criticar não leva ninguém a lugar algum. Criticar para ajudar sempre foi um caminho que conduz uma pessoa a um final melhor. #PenseNisso

3 COMMENTS

  1. Ótimo texto. Concordo totalmente com o que foi dito aí. É muita frescurinha e babaquice em torno de coisas que já são ‘normais’ no nosso cotidiano.

  2. Acho que se procurassemos em um dicionario um signifcado para o novo verbo “Orkutizar” seria: Popularização, algo que esta ao acesso de todos. Também creio eu ser um preconceito, mas infelizmente o novo verbo se aplica, todos vimos o que aconteceu quando o Orkut recebeu aquele “Bum” usuários no Brasil, aquilo viro um carnaval de virus, recados animados e tudo mais, dai a origem do novo verbo. A internet potencializa os usuarios e permite o acesso de todos, sendo que você escolhe o que vc quer ver, acho q este era o Sonho de Platão quando idealizava a Democracia. Mas o problema do brasileiro é a cultura, e infelizmente a grande maioria da nossa sociedade tende a tornar um carnaval tudo o que é colocado ao alcance da massa. Infelizmente o novo verbo se aplica, a questão agora é mudar a cultura.

  3. Então… Já escuto acerca desse tema há bastante tempo, e tive a oportunidade de presenciar todo esse boom da internet e sua popularização até seu formato atual.
    Acredito que o próprio termo “orkutização” teve sua essência um tanto quanto deturpada nos últimos tempose também se “popularizou”, sendo usado atualmente para apontar qualquer coisa que antes era usada apenas por alguns “privilegiados” e se massificou.
    Para quem conhece as redes sociais desde seu início, sabe muito bem que existe um certo caminho que acabou por gerar esse termo e várias outras pérolas que circulam pela internet nos dias de hoje. Longe de mim ser elitista, mas o que acontece de fato é que antigamente não era todo mundo que possuia internet banda larga disponível em casa, quanto menos um computador. À medida que tais serviços e produtos se tornaram mais acessíveis e a população menos favorecida começou a adquirí-los o Orkut, que à época era a rede social mais abrangente e influente de todas (por ser considerada pioneira também, eu acho…), começou a ser “habitado” por esse nichoda população.
    Uma das origens desse termo ou expressão foi o momento em que a rede social começou a disponibilizar a customização do perfil, dos post com letras coloridas e formatação simples, e principalmente a possibilidade de se upar gifs, imagens e vídeos.
    A falta de ética ou “netiqueta”, costume para com o uso de computadores, e nítida falta de limites favoreceu ainda mais a “vulgarização” do Orkut até seu “formato final”.
    Descontentes com tal situação os usuários pioneiros daquela rede começaram a migrar aos poucos para o Facebook, um terreno novo e promissor, com vários recursos que tornariam a princípios essa rede social mais limpa e “filtrada”.
    Mais uma vez com a massificação das mídias sociais, as pessoas vem migrando aos poucos para o Facebook, e se por um lado contribuem para tornar a rede maior e popular, por um outro lado também contribuem para “spamar” essa rede, tornando-a mais “poluída” com posts inadequados e mal redigidos e formatados, geralmente acompanhados de erros grotescos de português.
    Atualmente o termo não é usado mais somente para exemplificar ou ilustrar a massificação das redes sociais, mas toda e qualquer coisa que ou era acessível antes a somente uma parte mais elitizada da sociedade ou qualquer outra coisa que antes era usada apenas por algumas poucas pessoas ou segmento da sociedade e começou a ser aderido por uma parcela maior da sociedade.
    Se o Soundcloud amanhã ou depois começar a ser acessado
    e usado pela população de classe média ou inferior (que representa a maior parte da população; sem elitismo, como disse…), e esse mesmo nicho da sociedade de repente começar a usar tal serviço para upar o ensaio da banda de pagode da rua ou da galera do buteco da esquina, então o serviço terá sido “Orkutizado”.
    Poderíamos extender tal termo ainda a outras situações… Por exemplo, o Ooze Bar, aqui em nossa querida cidade de Uberândia, era frequentado antigamente apenas por um certo segmento da sociedade, geralmente adultos jovens e universitários que fazem parte da geração X. Há pouco tempo, com sua mudança para um ponto mais amplo, novas pessoas começaram a frequentar o local em função do destaque do local. Teria entãoo Ooze Bar se “Orkutizado”…? Enfim… Acho que a teoria é mais ou menos essa…

LEAVE A REPLY