Durante esses 20 dias de trajetória na fé, eu tive bispos e pastores excelentes. Não estou me referindo a pessoa cantar bem, pregar com eloquência ou saber fazer uma reunião maravilhosa. Vou ao pé da letra mesmo. Aquele pastor e bispo que cuida das ovelhas, que se preocupa com sua saúde espiritual.

Mas também, como em tudo na vida, tive péssimos exemplos e experiências.

Quando mudei pra Uberlândia, no segundo ano morando aqui, um pastor que nem era da minha igreja, mas de uma igreja de bairro começou a pegar no meu pé. Ele sempre usava piadinhas e humor pra falar o que palavras secas não conseguiriam exprimir ou que seriam duras demais. Eu odeio esse tipo de gente, que usa de brincadeirinha pra falar sua percepção, visão ou sentimentos. Eu gosto de gente que fala, na cara. E isso pode ser de maneira educada, no cantinho, como um feedback.

Espera-se do pastor, um comportamento assim, de cuidar da ovelhas e orientar com educação e carinho. Aquele pastor, que nem era da minha igreja, além de não ir com a minha cara e fazer piadinhas sem graça, também tentava manipular o olhar das pessoas para mim, inclusive outros pastores e bispo. Até a esposa dele compartilhava da mesma “maldade”. Quando eu os via, já queria logo vazar, pois eles não me faziam bem. Este sujeito era uma pedra no meu sapato, e eu tinha que conviver com ele.

Eu aprendia a não ser como ele. Com exemplo ruim, eu aprendi tanto. Temos que ser grato até por isso, sabia? Aprender sem errar é ótimo, e como isso acontece? Convivendo com gente assim, como era esse pastor.

O que eu poderia fazer? Reclamar para o superior dele? Falar pra ele que ele estava mal espiritualmente? Dar uma má resposta? Dar um corte (como muitos dizem)? Olha…nada disso eu fiz.

Eu sempre tento olhar a situação com olhos espirituais. Ele não era obrigado a gostar de mim, mas ficar fazendo chacota, piadas e menosprezando eram atitudes contrárias a um comportamento de um pastor.

Eu simplesmente entreguei ele nas mãos de Deus. Eu orei por ele e pedi a Deus pra blindar o meu coração. Crie também esse hábito. Não tome atitudes físicas com situações espirituais. Não era uma perseguição normal. Havia algo espiritual trabalhando pra sujar o meu coração, e eu não permiti que isso acontecesse. Eu o tratava bem, mas quando ele começava…eu simplesmente me retirava.

Não bata de frente com autoridades espirituais, por mais que elas estejam erradas ou agindo de maneira incorreta. Ore e coloque na mão de Deus. Mas é sério, leve isso ao pé da letra.

Tomar atitudes físicas com questão espirituais vai mostrar que você não confia que Deus irá fazer o melhor. Lembre-se de Davi, e o quanto ele conviveu com Saul, embora o rei muitas vezes agia de maneira errada, Davi nunca e jamais devolveu na mesma moeda.

Muitas vezes a perseguição e as palavras que entristecem não vêm do mundo, mas de dentro da igreja. Seja forte e domine sua raiva ou chateação. Ore, ore e ore. Deus tudo vê e vai cuidar dessa situação.

Meses depois eu fiquei sabendo que aquele pastor saiu da obra e voltou para o mundo. Ele voltou ao crime e se separou da esposa. Triste futuro!

O nosso comportamento revela o que está dentro de nós. Pessoas que estão apresentando comportamento que não condizem com a vontade de Deus, estão com o coração contaminado. Ore por elas. Elas estão  “doentes” na alma e precisam de ajuda, por isso falam o que não deveriam e agem de maneira grosseira, ríspida, mentirosa, nos ataques.

Não se iguale. Mantenha-se em espírito. É a forma de vencer a carnalidade. Os carnais, se não arrependerem, automaticamente serão expulsos do nosso meio. A fé é pura e espirra gente carnal.

Seja espiritual. Mantenha-se espiritual e não se misture com aquele que está na carne e deseja permanecer. Bora viver em espírito?

 

 

 

 

 

1 COMMENT

LEAVE A REPLY