Assim que eu me casei, passei a fazer parte do grupo de evangelização. Eu era um dos líderes do trabalho e no domingo de feriado não ia ter o trabalho nas ruas. Mesmo assim, fui a igreja. Chegando lá por volta das 15h, uma senhora me pede pra fazer uma visita no hospital pro irmão dela.

Ele foi encontrado quase que morto numa estrada vicinal. Ela era de São Paulo e o irmão estava morando em Uberlândia e trabalhando na construção de um shopping. O rapaz tinha histórico com vícios, e provavelmente com drogas.

Pra minha surpresa, o hospital que o rapaz estava em coma era a 1 quarteirão da minha casa. A moça não tinha lugar pra ficar, veio visitar o irmão, mas ele estava desacordado e com o futuro incerto. Eu fiz o compromisso com ela de ir no hospital todos os dias, ungir aquele rapaz e mandar notícias. Aquela luta era espiritual e eu engajei naquela causa. Me coloquei no lugar daquela família aflita e a 600km de Uberlândia.

Todo dia, eu tirava 15…20 minutos do dia pra ir no Hospital Santa Marta visitar aquele jovem, em coma, todo entubado e machucado. Eu ungia a cabeça dele toda enfaixada e orava por ele. Ao final, eu ia até os enfermeiros ou médicos pra saber a situação do rapaz. O quadro era muito grave, e havia pouquíssimas chances de vida.

Imaginei o sofrimento daquela família, distante, morando em São Paulo sem poder fazer nada por ele. ME engajei na causa e acompanhei de perto a evolução e cura dele.

Todo dia mandava mensagem pra irmã dele, no Facebook. Fomos criando um elo bonito, e eles tinham tanta confiança em mim mesmo sem nunca termos convivência.

Com duas semanas, ele já estava bem melhor e já conseguia comunicar. Os dias foram passando e ele se recuperou. Claro que teria que fazer alguns tratamentos para ficar 100%, mas um morto praticamente, ressuscitou.

Por meses eu ainda tive contato com aquela família, que sempre me tratou com enorme carinho.

Não precisa ter uma evangelização marcada pra você ganhar uma alma. Seja sensível a voz de Deus. Naquele domingo não faríamos o trabalho nos hospitais e nas ruas, e mesmo no feriado eu resolvi ir na igreja conferir se estavam precisando de algo.

Coloque-se no lugar dos que estão sofrendo. O que você faz pelo próximo, Deus faz por você.

Curtiu? Compartilhe com seus amigos, principalmente aqueles que estão meio desanimados.

 

2 COMMENTS

  1. Muito legal o relato. Quando fazemos pelo próximo, além de sermos abençoados automaticamente, nos tornamos pessoas melhores, mais felizes! Isso sim é servir a Deus!

  2. Muito lindo, este momento que vc passou!
    Não existe nada melhor, do que fazer a vontade do nosso Deus. E tenho certeza que foi isso que vc fez.
    É gratificante e recompensador. Deus nos reveste com a sua misericórdia!
    Jejum de Daniel.

LEAVE A REPLY